Resenha: Para Todos os Garotos Que Já Amei, De Jenny Han

by - segunda-feira, março 06, 2017



Finalmente consegui ler um livro físico de novo, fazia tempo que só lia em pdf e isso atrasou demais minhas leituras, é muito ruim ler aquelas letrinhas minúsculas além de ser péssimo para a vista, já tenho um grau de miopia muito grande. Enfim. E que bom que, quando voltei a ler assim, foi um livro tão maravilhoso quanto este para que viesse compartilhar com vocês imediatamente.
Resultado de imagem para RESENHA para todos os garotos que já amei de jenny hen Título: Para Todos os Garotos Que Já Amei
 Autor(a): Jenny Han.
Gênero: Romance, Jovem Adulto.
 Editora: Intrínseca.
 Lançamento: 2015.
 Páginas: 320.
 Avaliação: imageimageimageimageimage
 Adquira: Saraiva | Submarino | Cultura.

Sinopse: Lara Jean guarda suas cartas de amor em uma caixa azul-petróleo que ganhou da mãe. Não são cartas que ela recebeu de alguém, mas que ela mesma escreveu. Uma para cada garoto que amou — cinco ao todo. São cartas sinceras, sem joguinhos nem fingimentos, repletas de coisas que Lara Jean não diria a ninguém, confissões de seus sentimentos mais profundos.Até que um dia essas cartas secretas são misteriosamente enviadas aos destinatários, e de uma hora para outra a vida amorosa de Lara Jean sai do papel e se transforma em algo que ela não pode mais controlar.

A Jenny Han tem uma escrita bastante gostosa de ler, principalmente para quem gosta de romances um pouco mais clichês com um toque peculiar que só ela tem. Para todos os garotos que já amei é assim. Este foi o primeiro livro da autora que eu li e já amei de cara, ele me trouxe um monte de sensações boas do ensino médio e me fez lembrar o quanto é bom amadurecer, isso fez com que eu me entregasse ainda mais à leitura e gostasse tanto. Ao falar de temas reais e atuais, Jenny dá vida a uma trama que traz belas mensagens de amor, aceitação, perdão e recomeços. Definitivamente estou apaixonada por essa história.



Lara Jean é a filha do meio, tem dezesseis anos e tem um pedacinho de cada irmã como inspiração: a imponência de Kitty, a mais nova, e a coragem de Margot, a mais velha. Juntas as irmãs Song, como elas se chamam, cuidam do pai e das tarefas de casa, uma vez que a mãe faleceu alguns anos antes e isso fez com que elas tivessem que amadurecer muito rápido. Margot, por ser a mais velha, é o suporte de todas elas e coloca ordem em tudo, entretanto, ela está prestes a ir para a faculdade, do outro lado mundo, e tudo isso caberá a Lara Jean – que se sente totalmente despreparada para isso. Todas essas mudanças mudarão completamente a vida de Lara.

Ela precisa perder o medo de dirigir, sobreviver ao ensino médio sem sua irmã mais velha e melhor amiga, prestar mais atenção em seu pai, aprender a ser um exemplo para sua irmãzinha e, ainda, lidar com seus antigos amores. 

Lara Jean escreve cartas para seus amores quando estes precisam ser esquecidos, todas essas cartas ela guarda consigo, entretanto, misteriosamente elas são enviadas para seus destinatários e tudo parece se tornar um caos na sua vida. Quando a primeira carta aparece nas mãos de Peter K, ela percebe que terá que enfrentar vários garotos surpresos, magoados e irritados pelas suas palavras nunca ditas, incluindo Josh, o ex namorado de Margot e sua única paixão ainda existente. 

“Se o amor é como uma possessão, talvez minhas cartas sejam meu exorcismo. As cartas me libertam. Ou pelo menos deveriam.”

Para surpresa de muitos, inclusive a minha, as atenções do livro não são o romance em si, claro que a gente torce por certos casais, mas tudo envolve o crescimento e amadurecimento da protagonista. Fica claro para o leitor o quanto ela depende de Margot e quando ela vai embora, tudo parece desmoronar para Lara Jean. O receio fez com que a jovem reprimisse seus amores, não fizesse amigos, não saísse, enfim, se escondesse do mundo. O que mais me encantou neste livro foi a força que a personagem se forçou a criar após as mudanças na sua vida e o quanto ela cresceu com isso. A autora aborda seus dilemas de uma forma tão simples e clara que muitas vezes eu mesma os senti. 


Outra coisa que, aos meus olhos, teve muita importância na história foi o quanto as cartas mexeram com a vida da protagonista. Assim que ela descobre que Josh recebeu a sua carta, ela inventa um namoro com um rapaz que não tem nada a ver com ela. Eles são praticamente opostos e isso dá oportunidade de ela ter uma visão totalmente diferente dele e, ele perceber o quanto ela pode ser incrível. A partir disso podemos entender o apontamento da autora para a questão dos estereótipos sociais e o quanto nos deixamos levar pelas aparências, o quanto as pessoas podem nos surpreender. Nele, Lara Jean vai encontrar mais do que um amigo, um confidente, o qual vai lhe ajudar em muitos momentos da sua vida. 

“Acho que agora consigo ver a diferença entre amar alguém de longe e amar de perto. (...). O amor é assustador; ele se transforma; ele murcha. Faz parte do risco. Não quero mais ter medo. Quero ser corajosa...”

Estou ansiosíssima para ler a continuação, P.S. Ainda Amo Você. A minha experiência com a autora foi melhor do que eu imaginava, foi uma das leituras mais gostosas que tive. Além de trazer uma grande história de autoconhecimento, traz o bom romance que todos amamos, não é mesmo?

Me contem aqui nos comentários o que acharam da história de Lara Jean. Beijo grande ♥

Copyright
Fotos: Cor de Marte,
Juliana Azevedo.

Veja Também:

0 comentários